Tipos de Suicídio – 1 – Suicídio Egoísta.

O Suicídio é um livro que foi um dos pilares no campo da sociologia. Escrito pelo sociólogo Francês Émile Durkheim e publicado em 1897, foi um estudo de caso sobre o suicídio, publicação única em sua época, que trouxe um exemplo de como uma monografia sociológica deveria ser escrita (Wikipedia). Nesta monografia, Émile Durkheim propõe quatro tipos de Suicídio em Durkheim: Egoísta, Altruísta, Anómico e Fatalista.


Suicídio Egoísta: Reflete um sentimento prolongado de não pertencimento, de não se integrar à comunidade. Isso resulta no “sentimento de suicídio” (ou ideação suicida) de que ele (ela) não tem vínculo com o mundo, com as pessoas. Essa ausência pode dar origem a falta de sentido, apatia, melancolia e depressão.  Durkheim chama esse desapego de “individuação excessiva”. Poderíamos dizer que é a “individuação sem o outro”.

Neste tipo de comportamento os indivíduos que não estavam suficientemente ligados a grupos sociais (e, portanto, valores, tradições, normas e objetivos bem definidos) ficaram com pouco apoio ou orientação social e, portanto, eram mais propensos a cometer suicídio. Durkheim descobriu que o suicídio ocorria com mais frequência entre pessoas solteiras, especialmente homens solteiros, que ele achava que tinham menos a vincular e conectá-los a normas e objetivos sociais estáveis.


Vale ressaltar que Durkheim sofreu e sofre duras críticas quanto a sua teoria social do suicídio, pois embora a teoria do suicídio de Durkheim tenha contribuído muito para a compreensão do fenômeno por causa de sua ênfase nos fatores sociais, e não nos fatores biológicos ou pessoais, a principal desvantagem da teoria é que ele enfatizou demais apenas um fator, o fator social,e esqueceu ou minou outros fatores, tornando sua teoria unilateral.


Deixe o seu comentário

Suicidologia

Suicidologia

Somos um grupo de pessoas que pensam na vida sob as mais diversas perspectivas. O nosso objetivo é a vida, no que for possível, é salvar vidas, sobretudo, com a informação clara e objetiva. A pessoa humana tem a nossa atenção; afirmamos que, sob nenhuma circunstância o suicídio é justificável, todavia, sob nenhuma aspecto a pessoa deve ser marginalizada, condenada.

error: O conteúdo está protegido !! Vá criar o seu!
google.com, pub-6092656382618265, DIRECT, f08c47fec0942fa0